quinta-feira, 11 de abril de 2013

# Not enough


Estes pensamentos corroem-me como chuvas ácidas ao perfurarem e moldarem belas estátuas de parques. Cada pedaço do meu corpo é uma insegurança por si só. Como se eu olhasse o mundo de baixo para cima, onde me encontro submersa e vejo todos os outros à superfície, assistindo à minha aflição por conseguir erguer-me e respirar. Como se nada do que eu fizesse fosse suficiente para me elevar, para me tirar destas profundezas. E é isso que reside, o sentimento de que não sou suficiente.
E queima. Esta sensação de depreciação. Como se um enorme peso invisível descansasse sobre o meu peito e o esmagasse lentamente, em que eu me encontrasse no limiar de perder os sentidos. Mas ninguém percebe. Nem eu consigo compreender mas eu sinto-o e isso basta-me para acreditar na veracidade da situação. Ninguém vê o que eu vejo e isso deixa-me confusa porque todos me descrevem como algo ao qual eu não creio corresponder. E se o que sinto parece tão real, como poderei sequer abrir a hipótese de acreditar em algo contrário?
Sinto-me mal. Irrelevante e reduzida. E quando dou por mim, as lágrimas rolam pela minha face descontroladamente. Não tenho noção de à quanto tempo isso está a acontecer nem me lembro de o ter permitido mas elas não querem saber, expressando-se quando eu mesma não consigo.

3 comentários:

Bree Emma Sommers disse...

Este texto não se podia enquadrar melhor naquilo que eu sinto há já algum tempo... Compreendo-te perfeitamente e sei o que é sentirmo-nos assim, mas tal vez te ajude pensar como eu por vezes me esforço por pensar: Nada é permanente neste Mundo, nem os nossos problemas! :D Força!

łnn Gray disse...

É importante valorizarmo-nos mesmo nas alturas em que estamos mais para baixo. São essas pequenas coisas boas em nós que nos fazem agarrarmo-nos a elas e sair de lá de baixo, para ver a luz do Sol :)
Beijinho, Stay Awesome*

Cassandra Lovelace disse...

Sim, de facto devia ser assim, elas apenas participaram nas 2 primeiras semanas de praxe e nao vi se iam as festas porque não estava mas tecnicamente só podem praxar se forem praxadas mas como é que uma comissão de praxe controla perto de 150 caloiros? é um pouco dificil! então agr no segundo semestre é ainda mais
Referente ao texto, sabes... as quedas e até mesmo dúvidas de nós mesmos são saudáveis em q.b, ou seja em exagero corroí-nos a alma mas em q.b, é bom para nos levantar a auto-estima e procurar maneiras de nos levantarmos e termos força para ir de encontro à luz! E força nisso ;)